12 novembro 2014

Patch colagem - patch apliquê cupcakes com risco

Patch colagem - patch apliquê cupcakes com risco.

Olá meninas!!!!

Pano de prato com patch cupcakes.


Moldes / Riscos


Espero que gostem.
Abraços e até mais...


11 novembro 2014

Patchcolagem - patch apliquê Galinha 3 com riscos

Patchcolagem - patch apliquê Galinha 3 com riscos

Olá meninas!!!!

Pano de prato com patch.


Riscos / Moldes


Espero que gostem!
Abraços e até mais...

10 novembro 2014

Patchcolagem - Patch apliquê Vaquinha com laços com riscos/ molde

Patchcolagem - Patch apliquê Vaquinha com laços com riscos/ molde

Olá meninas!!!

Pano de prato em patch!


Molde / Riscos


Espero que gostem!!
Abraços e até mais....

09 novembro 2014

Patchcolagem - Patch apliquê - camponesa com riscos

Pano de prato em patch camponesa.

Olá meninas!!!

Espero que estejam bem!!

Fiz este caseado na máquina, não gostei do resultado, achei meio grosseiro.


Aqui o risco.


Espero que gostem.

Abraços e até mais.....

14 outubro 2014

Sorvete sem leite, sem lactose - sorvete vegan - sorvete de frutas - sem adição de açúcar

Olá Meninas!!!
Quanto tempo, hoje trouxe uma receita de sorvete sem leite, muito gostos e cremoso, bem saudável.
Aqui vai a receita:

                                                         4 a 5 bananas congeladas


Uma caixinha de morangos congelados


Uma colher (sopa) farinha de linhaça dourada e 3/4 xícara (chá)
de água, levar ao fogo e deixar ferver por 2 minutos.
Retirar e esfriar.


6 colheres (sopa) leite de coco ou água de coco


Bater no processador todos os ingredientes, desligar assim
que estiver bem triturado e misturado.
Levar ao freezer, por mais ou menos 3 horas antes de servir.
Se preferir, adicione 1 colher de açúcar cristal demerara, não
coloquei pois as frutas já tem doçura natural.


Dica: eu bato as sementes de linhaça para fazer a farinha, mas se quiser pode
comprar pronta.

Espero que experimentem, é bem saudável e saboroso.

Abraços e até mais......


19 setembro 2014

Enfeite Porta Maternidade - Guirlanda porta de maternidade - Decoração quarto de bebê

Olá meninas!!!

Como sabem amo artes em geral, e resolvi fazer estas peças de feltro.
Coloquei à venda no Elo 7, se alguém se interessar, aqui está o link
da lojinha:
http://www.elo7.com.br/detalhesquegosto

Por enquanto estou com estes produtos, mas vou colocando novos produtos,
espero que gostem.

Guirlanda Barco Marinheiro ou Naútico para Porta Maternidade ou Quarto





Guirlanda Corujas para porta maternidade ou quarto






Abraços e até mais....




25 agosto 2014

No Azul do Vinho

Olá meninas!!!
Mais uma vez quero me desculpar, por deixar tanto tempo sem postar, mas meu trabalho,
estava tomando muito do meu tempo, e agora um pouco mais tranquila, espero dar continuidade.
Abraços e beijos a todas!!!

Estou colocando esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia, dentro do possível rsrs.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...
                                            No azul do Vinho

                                               Capítulo 51

Todos na casa de Phina, foram despertados pelo toque do telefone, Bruno correu para atender.
Era o dr. Eduardo, pedindo que fossem até ao Hospital, não disse nada sobre Phina, disse que conversariam no Hospital.
Neste momento, já estavam todos ao lado de Bruno, ansiosos, - Ele não disse nada, apenas para
que fossemos até ao Hospital, falou Bruno.
No Hospital, dr. Marcio e dr. Eduardo, já os aguardavam.
- O que está acontecendo, como está Phina, falou Bruno desesperado.
- Calma, ela está bem, acordou e está esperando por vocês, entrem.
Bruno correu e a abraçou e desabou em lágrimas, e Phina estava ótima, ficou feliz por estarem todos ali e mais ainda pela preocupação de Bruno.
Phina voltou pra casa, os pais de Bruno voltaram para o Sul. Bruno ligou para Alícia avisar o sr. Giuseppe e sr. Genaro, que Phina já estava em casa e muito bem de saúde.
E eles conversaram e resolveram, fazer uma festa de casamento no Brasil e outra na Itália, mais precisamente na fazenda. Chamaram a cerimonialista, e lhe contaram o que tinham decidido, ela achou meio em cima da hora, mas concordou, afinal estes dois mereciam.
Os dias voaram, e o casamento no Brasil estava prestes a acontecer. Phina fez quetão de flores brancas e azuis, e todas as toalhas das mesas, foram feitas conforme ela queria, com manchas azuis, ela fez questão que fossem derramado vinho nas toalhas brancas, como uma marca dela e de Bruno, do primeiro encontro ao casamento.
A cerimonialista achou esquisito e meio sem classe, manchar toalhas brancas de linho, ela não entendeu muito bem, mas Phina queria assim, e teve que aceitar.
Mas pediu que fizessem um texto em cima de cada mesa, explicando qual o motivo das toalhas serem manchadas com vinho, riu muito quando pediu para a cerimonialista, pois ela demonstrava que não acreditava nas atitudes de Phina, parecendo pensar: - Será que esta cirurgia deu certo mesmo? e Phina se divertia com isso.
O grande dia chegou, Phina estava linda, em um vestido branco de renda francesa, com caimento leve sobre o corpo, era simples e elegante, estava deslumbrante.
O casamento foi no salão do Hotel Gran Mars, a decoração estava clean, como Phina queria.
Duas semanas depois eles já estavam chegando na fazenda do sr. Giuseppe, que os aguardava muito feliz, por fazer parte deste acontecimento. Ele considerava muito Bruno e Phina, os tratava como sendo de sua família. Quando Bruno e Phina desceram do carro, sr. Giuseppe e toda família, foram ao encontro dos dois, os abraçaram muito. Os familiares de Bruno e Phina que vieram junto, nem acreditavam que seriam tão bem recebidos por todos na Toscana, ficaram deslumbrados e entenderam o porquê destes dois quererem se casar ali também.
A fazenda foi enfeitada ao ar livre, tudo estava maravilhoso.
Parecia um conto de fadas!!!

                                                   FIM



07 março 2014

Fui Notificada, e não entendi por quê?

Olá Meninas!!
Hoje levei um susto, quando abri meu e mail e tinha uma notificação do GOOGLE, dizendo que minhas postagens de bordado em tecido xadrez foram excluídas, pois eu não tinha autorização.
Peguei sim de uma revista e coloquei o nome da mesma, mas pelo que entendi o bordado era de uma pessoa dos EUA, e ela me acusou e não a revista, não entendi.
Vejo em tantos blogs, postagens de revistas e raramente as pessoas colocam de onde tiram, eu sei porque tenho algumas das revistas.
Sinceramente, fiquei sem saber o que fazer.
Será que é porque ultimamente, o fluxo de visitas em meu blog, tem aumentado consideravelmente, não sei?
Mas vou retirar todas as postagens que for de revistas.

Obrigado meninas!!

Abraços e até mais...

05 março 2014

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!

Estou colocando esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia, dentro do possível rsrs.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...
                                            No azul do Vinho

                                               Capítulo 49

A sogra de Phina voltou para o Sul, preocupada com o desentendimento de Phina e sua mãe, não ficava totalmente feliz com esta situação. Phina ligou para Bruno e ele disse que no final de semana estaria com ela em São Paulo, e aproveitariam para marcar o casamento e falar com a cerimonialista. Na terça a tarde era o exame de Phina, ela estava um pouco nervosa, pois não comentou com ninguém mas estava sentido um pouco de dor na cabeça.
Bruno chegou e Phina foi apresentá-lo a todos no escritório, e chamou sua mãe, sua irmã e o marido para almoçarem juntos e conhecer Bruno. O encontro deles correu tudo bem, o final de semana voou, eles correram atrás dos papéis do casamento e se encontraram com a cerimonialista, e na terça Bruno acompanhou Phina nos exames.
Phina apresentou Bruno ao dr. Márcio, ela o considerava como um pai, pois ele e seu pai eram muito amigos. Ela fez todo procedimento para o exame, o dr. Márcio fez o exame, mas não falou sobre o resultado para Bruno e Phina, pediu para que eles aguardassem.
Ela e Bruno ficaram tensos, pois dr. Márcio estava estranho. Vieram até eles dr. Márcio, seu filho dr. Eduardo e outro médico especialista, dr. Márcio os apresentou e começou a falar:- Phina, você se lembra que toda vez que caía no sítio, seu pai a trazia correndo para ser examinada, e você sempre muito forte dizia que não era nada, infelizmente não tenho boas notícias, para ter certeza do que estou lhe falando, pedi ao meu filho Eduardo e ao dr. Jonas, que analisassem o exame, e eles concordaram com o meu diagnóstico. Phina o interrompeu nervosa: - Mas o que está acontecendo, nunca ouvi o senhor falar assim.
- Calma Phina, disse dr. Márcio, há uma mancha em sua cabeça, provavelmente onde foi a pancada, e se não fizermos uma micro cirurgia, você pode ter falhas de memória, se é que já não está tendo algum sintoma e não nos contou, te conheço bem, você é forte, mas agora é necessário que nos conte tudo, ok?
- Mas doutor, o médico da Itália disse que estava tudo bem?, disse Bruno bem nervoso, esta cirurgia é complicada, ela corre risco de vida?
- Bem Bruno, o médico pediu que ela viesse rapidamente fazer os exames, ele talvez não quis preocupá-los, mas só o fato de pedir a urgência nos exames, ele tinha visto algo sim, e quanto ao risco, sempre há, não vou dizer que não, mas como seu pai diria a vocês, faço das palavras dele as minhas, confie em Deus, Ele tudo pode, falou dr. Marcio com dificuldade pela emoção do momento.
- Vamos adiar nosso casamento, por uns dois meses mais ou menos, ok meu amor, dr. Márcio vai marcar a cirurgia logo?, disse Bruno para tentar acalmar Phina, que estava em lágrimas.
- Sim vamos fazer os exames necessários, já que ela está aqui vamos marcar para daqui a dois dias, certo? 

                                             Capítulo 50

Aqueles dois dias foram terríveis para Bruno e Phina, tiveram que chamar a cerimonialista para dizer que teriam que adiar o casamento, e ela disse que não tinha problema, ela dava um jeito em tudo. Os pais de Bruno vieram para o dia da cirurgia, estavam todos nervosos, Bruno tentava não demonstrar, pois não queria deixar Phina ainda mais nervosa, mas assim que seus pais chegaram na casa de Phina, ele desabou aproveitou que Phina estava no banho e chorou abraçado com os pais.
Chegou o dia foram todos ao hospital, aguardar o decorrer da cirurgia. Dr. Márcio veio até eles e disse que correu tudo bem na cirurgia, mas somente quando Phina acordasse, saberiam se estava tudo bem. - Posso ficar junto dela?, perguntou Bruno.
- Sim, sim mas em silencio absoluto, disse dr. Márcio.
Bruno ficou sentado na poltrona ao lado de Phina, segurando sua mão, os outros a olhavam apenas pela janela do corredor, não podiam entrar.
Quase dez horas após a cirurgia, dr. Eduardo veio até o quarto e disse que ela já devia ter acordado, mas Phina parecia dormir. Ele chamou dr. Márcio, e os dois disseram que a levariam para um novo exame, para saber o que estava acontecendo.
Bruno não conseguia nem falar, de tão nervoso que estava, e todos os que estavam com ele também ficaram, pois não sabiam o que estava acontecendo.
O doutores voltaram com Phina, e dr. Eduardo disse: - Está tudo bem, a cirurgia foi perfeita, apenas temos que esperar, para ela acorde sozinha, não podemos forçar nada, Bruno sei que quer estar quando ela acordar, mas vai pra casa, coma alguma coisa e tente dormir um pouco, por favor, quando ela acordar, vai precisar de você inteiro ao lado dela, vou ficar de plantão aqui ao lado esta noite, então por favor vão todos pra casa e descansem, certo?
- Mas, quero estar aqui quando ela acordar, disse Bruno. - Venha meu filho, disse dna Maria Clara, dr. Eduardo está corretíssimo, você tem que estar bem para cuidar dela. E todos foram pra casa. Como dr. Eduardo sabia que Bruno não iria conseguir descansar, deu um calmante para sua mãe dar a ele. E assim que chegaram, Nona que estava com eles, disse que iria fazer algo para eles comerem, e dna maria Clara disse que não, disse que ela ligasse para algum lugar para que trouxessem alguma comida para eles comerem, mandou Bruno tomar banho enquanto isso, e foi preparar um suco para dar o calmante a ele.

Continua...

Abraços e até mais...

27 fevereiro 2014

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!

Estou colocando esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia, dentro do possível rsrs.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...
                                            No azul do Vinho

                                               Capítulo 47

Phina ficou na fazenda do sr. Giuseppe por alguns dias em repouso como o médico recomendou , sendo paparicada por todos, acompanhada por Bruno e sua mãe, pois o sr. Giuseppe e dna. Flora insistiram, para que assim fosse. A colheita seguiu e na hora do almoço todos se reuniam debaixo da frondosa arvore, como de costume.
Phina recebeu alta médica, e resolveram voltar ao Brasil, para prosseguirem com os preparativos para o noivado e casamento. Ainda não tinham decidido se o casamento iria ser no Brasil ou na Itália.
Phina seguiu para São Paulo, acompanhada por dna. Maria Clara, Phina pediu que ela passasse alguns dias com ela, para decidirem os preparativos do casamento, e Bruno foi para o Sul.
- Nona, Nona, chegou Phina chamando-a toda feliz, quero te apresentar uma pessoa.
E Nona apareceu: - Calma menina, porquê está tão agitada?
- Esta é a mãe do Bruno, dna Maria Clara, ela vai passar alguns dias conosco, você arruma o quarto de hóspede para ela, apresentou-as Phina, e as duas se cumprimentaram.
- Esperava que fosse ele, riu Nona, e não a mãe dele, e todas riram.
- Como você não me avisou que iria trazer visitas, coloquei só nossos lugares na mesa, a senhora quer tomar um banho ou se trocar, vou levá-la ao seu quarto, falou Nona.
E almoçaram, contaram a Nona sobre o acidente de Phina, Nona ficou preocupada e brava porquê ninguém a tinha avisado, Phina disse que acharam melhor não, já que ela estava bem. Phina ligou para o escritório, para saber como estava tudo. E Cris disse que estava tudo bem, e perguntou se ela iria até lá, e ela respondeu que hoje não, e pediu que ela fosse ao jantar naquela noite em sua casa.
Phina pediu a Nona para convidar sua mãe, sua irmã e o marido, para que viessem jantar em sua casa naquela noite, e disse para que ela encomendasse o jantar. Phina marcou uma consulta com seu médico, pois ela tinha que fazer uma ressonância para ver se estava tudo bem.

                                         Capítulo 48

No jantar, Phina apresentou a mãe de Bruno, e todos perguntaram porque ele não estava ali, e ela disse que ele tinha que resolver um problema com os tonéis de vinho, mas no final de semana estaria junto deles.
- Bem reuni vocês aqui, porque vou me casar com Bruno, e vai ser rápido o tempo apenas de prepararmos tudo, vamos fazer o noivado e logo depois o casamento. E também tenho que lhes contar sobre um acidente que sofri na Itália, caí de uma escada, quando estava colhendo olivas, fiquei desacordada por horas, em observação por dias, mas está tudo bem, e já marquei uma consulta com dr. Marcio, antes que vocês comecem a falar, falou Phina tão rápido, para que ninguém tivesse tempo de interrompê-la.
- Como assim?, disse Catarina, como ninguém nos avisou?
Dna Julieta, mãe de Phina disse meio brava: - Não entendo você Phina, sai daqui pra ir à Itália colher olivas e ainda por cima quase morre, você estudou nos melhores Colégios, porque não segue o exemplo de sua irmã e se casa com um executivo bem sucedido, que tem muito mais a haver com você, do que um agricultor, que mora sei lá em que meio de mato.
- Chega mamãe, Phina a interrompe muito brava, peça desculpas a dna. Maria Clara, não aceito, você me ofender e ofender a mãe do meu futuro marido, com todo respeito, não me interessa sua opinião, sou bem crescida pra decidir minha vida, só o papai me entendia, ele nunca foi arrogante como você, nos desculpe dna Maria Clara, por fazê-la presenciar esta cena, e lagrimas desceram do rosto de Phina, pois lembrou-se de seu pai, que tinha falecido há alguns anos.
- Me desculpe Maria Clara, nem conheço o seu filho, mas Phina é urbana, da cidade, ama o trabalho dela, o escritório, ela não vai largar tudo, pra ir pro meio do mato, este casamento não vai dar certo, falou Julieta com toda arrogância que a acompanhava.
Nem jantaram direito, se despediram e foram embora.
- Phina minha filha, me desculpe, mas.. sua mãe não tem razão, será vocês vão conseguir conciliar o casamento com o trabalho, você aqui, ele lá no Sul, será que não é melhor pensarem bem, disse dna Maria Clara com todo carinho, para não ofender Phina.
- Se for necessário eu vendo o escritório aqui e vou pro Sul, a senhora sabe que eu amo a terra, minha mãe nem me conhece direito, quando eu era pequena eu e meu pai íamos passar uns dias em um sitio que ele comprou e ninguém sabia só nós dois, ele dizia a todos que ía me levar em um museu, Phina ri, em outro país e íamos ao sitio e ficávamos lá, plantando, colhendo, eu amava e ele também, eu mantenho o sitio até hoje, ele colocou no meu nome, pra ninguém soubesse, e além de tudo eu amo o Bruno e não vou deixá-lo, fique tranquila, e Phina a abraçou.

Continua...

Abraços e até mais...

26 fevereiro 2014

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!

Estou colocando esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia, dentro do possível rsrs.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...
                                            No azul do Vinho

                                               Capítulo 45

Phina passou por vários exames, mas como ainda estava desacordada ficou em observação no hospital. Depois que o médico disse que ela estava bem, era só uma questão de tempo para acordar, o sr. Giuseppe e dna. Flora voltaram para casa, mas Bruno fez questão de ficar ao lado de Phina, e o médico autorizou.
Bruno ficou segurando a mão de Phina, as vezes acarinhando seu rosto, mas o cansaço não o deixou ficar assim por muito tempo, ele adormeceu na poltrona ao lado da cama.
Phina acordou de madrugada, meio atordoada não sabia onde estava, viu Bruno adormecido ao lado de sua cama, não entendeu nada, e voltou a dormir, pois a medicação a relaxava.
No amanhecer do dia, Bruno acordou e foi ao lado da cama e afagou o rosto de Phina, e ela abriu os olhos e sorriu: - onde estamos?, o que aconteceu?, ai! estou toda dolorida, e tentou levantar.
- Calma, falou Bruno, você caiu da escada, quando estava colhendo olivas, mas por um milagre de Deus, você não quebrou nada, não se lembra de nada?
Ela riu: - Sim me lembro, é que parece que fui socada, meu corpo dói todo. Mas o que você está fazendo aqui? Não deveria estar com Julie no hotel?
- Que estória é essa? Você não para de repetir, que Julie está no hotel, de onde você tirou que Julie está aqui comigo?, disse Bruno meio nervoso.
- Se ela estava atendendo seu celular dizendo que era sua noiva, pra deixar o recado com ela, acho que no mínimo ela deveria estar aqui com você, despejou Phina, quase sem respirar.
- Do que você está falando? O tombo deve ter afetado seus pensamentos, ela nunca atendeu o meu celular e muito menos estamos noivos, depois que você me visitou e conversamos, ela foi até a fazenda algumas vezes, mas nem ao menos falei com ela, seus pensamentos devem estar todos confusos. Você sim deveria estar acompanhado pelo seu ex, ou sei lá o que ele é, vi com meus próprios olhos, sua felicidade na companhia dele.Se alguém está errado aqui, é você, me enganou, não atendeu minhas ligações e quando fui te procurar, te encontro na maior felicidade com ele, e não foi um dia só, disse Bruno emocionado, mas disse tudo de uma vez.

                                                Capítulo 46

Phina ouviu tudo indignada com o que ele estava lhe dizendo e não estava entendendo muito bem, - De onde você tirou a ideia de me ver feliz com meu ex, eu apenas fui almoçar com ele, alguns dias, mais nada, e eu não estou confundindo as coisas. Estávamos conversando todos os dias na hora do almoço, se lembra? ou eu te ligava ou era você, em um desses dias Julie atendeu o seu celular, conheci a voz dela e fingi ser outra pessoa, e ela me disse que você estava arrumando um tonel, e que eu poderia deixar o recado para ela, que era sua noiva, o que queria que eu pensasse, você estava no Sul e eu em São Paulo, e lagrimas começaram a rolar de seu rosto, ela tentou disfarçar, mas ele percebeu.
Bruno se aproximou dela, afagou seu cabelo: - Não acredito! Que novamente fomos enganados pelo que achamos, ao invés de irmos conversar um com o outro. E pegou em seu queixo e a beijou, e Phina se deu por completo àquele momento. 
Alguém bateu à porta, e os tirou do momento deles. - Me desculpem, mas fiquei aflita para saber como você estava Phina, disse a mãe de Bruno, dna Maria Clara, seguida por sr. Giuseppe e dna Flora.
- Dna Maria Clara, o que está fazendo aqui? E vocês dois fiquem tranquilos estou bem, disse Phina muito feliz.
- Mamãe era acompanhante no Hotel, disse Bruno rindo.
E dna Maria Clara foi abraçar Phina, e os sr Giuseppe e dna Flora também, e o médico entrou e disse: - Vejo que nossa paciente está muito bem assistida, e sua aparência Phina está ótima, só que vou permitir que você vá para casa na fazenda do sr. Giuseppe, não no Hotel, ficar em repouso, pois da altura que você caiu, precisamos ficar atentos, ok?
- Pode deixar Dr., vou cuidar dela, e não deixarei que ela faça absolutamente nada, pois eu a quero muito bem, pois pretendo me casar com ela em breve, e Bruno virou-se para Phina ajoelhou-se e tirou do bolso um anel de doce e disse: - Phina quer se casar comigo? Eu amo você demais e não vou mais deixá-la escapar.
E todos no quarto se emocionaram. Phina nem conseguia falar, as lagrimas desciam por seu rosto, mal balbuciou: - Sim, eu te amo muito. E os dois se beijaram.

Continua...

Abraços e até mais...

25 fevereiro 2014

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!

Estou colocando esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia, dentro do possível rsrs.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...
                                            No azul do Vinho

                                               Capítulo 43

Phina passou o dia com eles, na fazenda. A colheita começaria no dia seguinte.
Eles insistiram para que Phina se hospedasse na fazenda, mesmo que fosse mais simples que o Hotel, onde ela estava. Mas Phina não queria incomodá-los e achou melhor ficar no Hotel e eles entenderam.
No outro dia bem cedo, Phina foi para a colheita de olivas.
Estavam todos se preparando, muitos dos que estavam lá, Phina ainda não conhecia e sr. Giuseppe a apresentou e disse que ela veio do Brasil, somente para a colheita, e ela riu.
Phina estava tão feliz, não entendia como aquele trabalho tão cansativo, onde tinha que ficar no calor, subia e descia das escadas, a deixava tão tranquila, livre, não que ela não gostasse de seu trabalho de arquitetura, mas ali eram suas férias, ficar no meio daquelas pessoas a deixava plena.
O sino tocou, e todos sabiam que o almoço estava sendo servido, deixaram tudo e foram para debaixo da arvore, que Phina tanto amava, para comerem todos juntos. Phina parou e ficou olhando, era tanta gente falando ao mesmo tempo, mas ela sorria, seus olhos estavam iluminados e sr. Giuseppe via isso em Phina, e foi até ela e a abraçou, e disse a ela, que raramente tinha visto, tanto amor nos olhos de uma pessoa, quando estava trabalhando e uma lágima desceu pelo rosto, enrugado pela idade, e ela o beijou na testa, com os olhos marejados.  
Voltaram para a colheita, e a tardinha com o sol deixando a lua e as estrelas enfeitarem o céu, Phina voltou ao Hotel, cansada sim, mas feliz, ficou na hidro por horas e finalmente saiu e pediu que a servissem no quarto. Dormiu tranquilamente.
E na manhã seguinte, lá estava ela de novo para mais um dia de trabalho.
E na hora do almoço, todos novamente reunidos debaixo da frondosa arvore, quando uma camionete chega buzinando. E quem desce? Bruno, quando Phina o viu seu coração disparou e imediatamente olhou para o banco do acompanhante, esperando que Julie descesse, mas ele estava sozinho, e Phina pensou, ela não gosta do campo, de ficar no meio das plantações.

                                             Capítulo 44

Sr. Giuseppe e dna Flora foram ao seu encontro, o abraçaram, estavam muito felizes com a presença de Bruno ali. Phina ficou cabisbaixa, tentando se esconder, para que ele não a visse, mas foi em vão.Sr. Giuseppe o trouxe na frente dela e disse, - guarda chi c'è Bruno (olha quem está aqui Bruno), e ela se levantou e o encarou e os dois se cumprimentaram friamente.
Lei è venuto a raccolta (Ela veio para a colheita), disse sr. Giuseppe ,È anche arrivato Bruno (você também veio Bruno)?
- Sim claro, respondeu Bruno no susto, pois seu olhar estava fixo em Phina, seus olhos se encontraram com os dela, e para os dois o tempo parou e só eles estavam ali. 
- Não sr. Giuseppe, ele não pode ficar, pois alguém o espera no hotel, não é Bruno?, disse Phina demonstrando irritação.
- Não, posso ficar o tempo que quiser, disse ele.
E voltaram à colheita, e Bruno os acompanhou. Ele e Phina se olhavam entre as plantas, entre uma subida e outra na escada, quando de repente, ouviram um barulho de galhos quebrando e um grito de mulher, e todos correram.
Phina estava no chão desacordada, os galhos que ela colocou a escada, quebraram e a escada caiu, derrubando-a. Imediatamente Bruno a pegou nos braços, e a levou para a casa, e sr Giuseppe ligou para o médico, amigo deles que estava alguns minutos dali.
Bruno pediu para dna Flora uma bacia com água morna e uma toalha, e ficou colocando na testa de Phina, limpando delicadamente seu rosto, como se estivesse lhe fazendo carinho. O médico chegou e a examinou, e disse que ela respirava bem, mas não tinha acordado, ela precisava ser levada ao hospital rapidamente, pois precisava ficar na observação e tirar raio X, para saberem se não tinha quebrado nada.
Bruno a pegou e colocou na camionete e saiu com tudo, e sr. Giuseppe, dna Flora e um de seus funcionários foram em outro carro para o hospital.

Continua...

Abraços e até mais...

24 fevereiro 2014

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!

Estou colocando esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia, dentro do possível rsrs.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...
                                            No azul do Vinho

                                               Capítulo 41

Os dias foram passando normalmente, pois Cris nem comentou com Phina sobre o homem, que a tinha procurado. Phina lembrou que faltavam alguns dias para completar um ano, do primeiro encontro dela e de Bruno, e tomou uma decisão, pediu a Cris para reservar as passagens e o mesmo hotel para ela, na Toscana.
E Cris ficou surpresa, com a decisão repentina de Phina e disse: - Você se esqueceu que temos muitos projetos em andamento, e sua ausência pode ficar desconfortável aos nossos engenheiros.
- Já decidi e pronto, estou cansada de tudo na minha vida gira em torno do meu trabalho, chega, vou viajar, me distrair um pouco, preciso desses dias, falou Phina incomodada por Cris interferir em sua vida particular.
Cris deu de ombros e saiu. E Phina ficou pensando...será que devo ir até a Toscana mesmo, isso vai deixar ainda mais forte as lembranças de Bruno, mas seria melhor acabar com essas lembranças que a assombravam, já que entre ela e Bruno seria impossível um romance, enquanto pensava seus olhos ficavam marejados, pela tristeza que Bruno lhe causou.
Phina foi para casa arrumar as malas, já que seu voo sairia no outro dia de manhã.
- Olá Nona, me ajude a arrumar as malas, disse Phina.
- Onde você vai? falou Nona surpresa. 
- Vou pra Toscana, você se lembra daquela blusa manchada que eu pedi pra guardar, jogue fora por favor, falou Phina.
- Tudo bem, quantas malas vai levar, duas?
- Sim 

                                                Capítulo 42

Ao chegar no Hotel e respirar aquele ar, Phina já sentiu-se renovada. Foi a recepção, cumprimentou Alícia, filha do sr. Germano, irmão do srs. Giuseppe e Genaro. Ela ficou feliz em rever Phina que lhe trouxe uma lembrança do Brasil.
- Grazie! Alícia riu pois começou a falar em italiano,- Obrigada, você vai visitar os tios, vão começar a colheita da olivas.
- Sim, claro foi pra isso que eu vim, quero ajudá-los na colheita, disse Phina sorrindo, e subiu ao seu quarto.
Phina tomou um banho e foi andar pelo jardim do Hotel Castello di Vicarello, que estava ainda mais lindo e perfumado pelos ciprestes. Phina jantou no restaurante do Hotel e foi dormir cedo.
Acordou bem cedo, e pediu a Alícia, se o sr. Genaro poderia levá-la até a fazenda do sr. Giuseppe. E o sr. Genaro chegou com um sorriso no rosto e deu um abraço de avô em Phina, que a deixou emocionada, e foram pra fazenda do sr. Giuseppe.
Quando chegaram, Phina desceu correndo e foi ao encontro da sra. Flora, esposa do sr. Giuseppe, e as duas se abraçaram e ficaram por um tempo, até se soltarem pois ouviram o sr. Giuseppe, que veio esbravejando, dizendo Phina, não era bem vinda, pois tinha se esquecido deles, e ela correu e o abraçou. Ela se sentia tão acolhida, eles eram mais que sua família, pois Phina não tinha afinidade assim com nenhum de seus parentes no Brasil.
Eles já a esperavam, Alícia já os tinha avisado, da chegada de Phina, e a levaram para tomar café com eles.
Sr. Giuseppe perguntou sobre Bruno, e Phina  mudou o semblante, e lhes contou o que tinha acontecido, e eles ficaram tristes. E sr. Giuseppe disse que precisava falar algo importante a ela, que Bruno estava lá e pelo que ele ficou sabendo acompanhado, ele tinha chegado no dia anterior também, e provavelmente ele viria vê-los, ele achou que Phina deveria saber. Ela levantou-se e respirou e disse: - Não me interessa, se vamos nos encontrar aqui ou não, amo muito vocês e vim passar estes dias com vocês e ajudar na colheita, amo muito fazer isto e não vou deixar de fazer, só porque ele está aqui com Julie, vou ficar e encará-los se for preciso.
E dna. Flora a aplaudiu e falou que ela estava certa, e todos riram.

Continua...

Abraços e até mais...

18 fevereiro 2014

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!
Peço desculpas as leitoras, estou um pouco atarefada, sem tempo para digitar, mas vou fazer o possível pra terminar, ok.Vou colocar esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...
                                          No azul do Vinho

                                             Capítulo 39

Seu coração disparou, seu corpo todo estava na sensação de moleza, imediatamente ela desligou o telefone e ficou sem entender, o porquê desta mulher ainda estar lá e ainda atender o telefone de Bruno e se intitular sua noiva. Phina só conseguia pensar em uma explicação, Bruno a estava enganando todo este tempo, ele não terminou com Julie.
Ela não se conformava, por ter confiado nele, e ele a enganando todo este tempo, não acreditava nos pensamentos que fluíam naquele momento, praticamente estava em choque.
Cris entrou na sala, e viu o estado de Phina e perguntou imediatamente: - O que você tem, o que aconteceu? E Phina só a olhou e desfaleceu.
Cris chamou a emergência, quando Phina voltou a si, estava num quarto de hospital, e disse: - o que estou fazendo aqui? Cris o que houve?
E Cris passando a mão em seus cabelos, disse: - Calma, está tudo bem agora. Fique tranquila, você desmaiou no escritório, os médicos disseram que você sofreu um estresse muito forte, e querem que você fique aqui até amanhã, mas o que aconteceu, não sei de nada que possa ter te estressado tanto?
E lágrimas começaram a rolar pelo rosto de Phina e ela falou: - Ele me enganou Cris, todo este tempo fiz papel de tola, quando liguei pra ele hoje como todos os dias faço, Julie atendeu, e quando percebi, fiz voz diferente e perguntei quem era e ela me disse que era a noiva dele, acredita? E Cris foi logo falando: - Não, isso só pode ser algum engano, ela por acaso atendeu o telefone e falou que era noiva, só por falar.
- Não Cris, primeiro que era o celular dele, que sempre fica junto dele (Phina começou alterar a voz e Cris a acalmou), e ela estava com ele nos tonéis, pois ele estava consertando um barril, não há explicação, só uma certeza, me enganei, e Phina desabou em lágrimas. 

                                      Capítulo 40

Os dias foram passando e toda vez que Bruno ligava Phina não atendia o celular e se ligava na empresa ou em sua casa, diziam que não estava ou estava nas obras, ou em reuniões.
Phina saiu pra almoçar, em um de seus restaurantes favoritos, esperava Cris, quando olhou para a porta viu Pedro entrando sozinho e pedindo uma mesa para o garçom, Phina tinha se esquecido que Pedro gostava muito daquele restaurante. E ele foi em sua direção, e disse: - Fique calma, não vou fazer nada, falou ele em tom meio rindo e ela riu também, quero me desculpar por tê-la constrangido, por tantas flores enviadas, e os dois começaram a rir. Ele pediu licença para sair e Phina disse: - Vai almoçar sozinho? e Pedro balançou a cabeça afirmativamente, sente-se conosco, Cris já está chegando. - Tudo bem pra você?, perguntou ele.
E ela riu: - Claro. E como Cris não chegava pediram, almoçaram, conversaram, riram muito.
Quando Phina chegou no escritório, Cris pediu desculpas, mas também viu o olhar de Phina diferente e disse: - Pelo jeito não fiz falta neste almoço, você voltou tão bem, não sabia que a comida de lá era remédio e começou a rir.
- Você sabia que Pedro iria estar lá não é? disse Phina desconfiada. - Ele me disse que gostaria de se desculpar, então pedi a um dos seguranças que ficasse por perto e deixei vocês conversarem, e pelo seu olhar, fiz bem! E as duas riram.
Nos dias que se seguiram, Pedro ligava pra Phina, convidando-a para almoçar e ela aceitava, pois lhe fazia bem conversar com ele, riam muito.
Em um desse dias, que eles estavam saindo do escritório para almoçar, rindo muito como sempre faziam, Bruno chegou de táxi, e viu a cena, que para ele já foi suficiente, Phina estava feliz e com outro homem, por isso não atendia mais suas ligações.
Bruno subiu no prédio, para investigar quem era o homem que estava com Phina.
A recepcionista o levou a Cris, pois ele disse que gostaria de falar com Phina sobre uma construção, e Cris nem olhou direito para ele, só disse que Phina já tinha saído para o almoço, estava em um restaurante com um amigo.
E Bruno perguntou: - Seria possível eu encontrá-los neste restaurante, é meio urgente o que preciso falar com ela? Será que vou atrapalhar ela e o namorado? E Cris riu: - Ainda não são namorados, já foram noivos, são amigos agora acho, e falou o nome do restaurante. Bruno ficou por alguns dias, observando tudo que Phina fazia, só de longe, e viu que ela e o ex ficavam muito tempo juntos e riam muito, se divertiam, e ele decidiu ir embora.

Continua...

Abraços e até mais.....